Home
Sistema redes
Quem somos
Notícias e Atualizações
Documentos Técnicos
Você participa
 
Veja também »
14/09/2009
Pedágios urbanos não solucionarão um problema ambiental
11/08/2009
A lei e os mototaxistas
16/07/2009
Os desafios de transportes do Rio
31/07/2009
Matriz energética: biomassa no lugar de combustíveis fósseis
19/05/2009
Transporte público e a candidatura do Rio
12/05/2009
A hora e a vez de uma política de preços para combustíveis
24/03/2009
Respostas do campo às crises econômica e ambiental
27/05/2009
Sustentabilidade e vantagem competitiva
25/08/2008
A vez de Manchester
25/08/2008
Ele voltou!
24/01/2008
Quatro vezes sem carro
29/04/2008
O melhor jeito de chegar lá
18/05/2006
A utilização do Biodiesel no Transporte Urbano
19/11/2008
Transporte rápido por ônibus
17/12/2008
A crise do transporte público
10/11/2008
Certificação ISO 14001 eleva o desempenho verde da Sound Transit
22/09/2008
Uma alternativa que deu certo
09/10/2008
Transporte público: Vital para o futuro da Austrália
09/10/2008
Hidrogênio como combustível: BVG testa operação com ônibus livre de CO2.
15/10/2007
O biodiesel e os desafios da inovação
13/08/2008
O Transporte Urbano e o Meio Ambiente
10/09/2008
A mobilidade urbana pede socorro
10/09/2008
Incentivando o uso de biocombustíveis no transporte público
12/09/2008
Poluidores em dívida
05/09/2008
Uso do transporte coletivo supera individual na Grande SP
04/08/2008
Brasil deve explorar mais a tecnologia diesel
29/05/2008
São Paulo está perdendo a mobilidade e se tornando cada vez menos eficiente
19/06/2008
Verdades e mentiras em torno dos biocombustíveis
01/03/2008
Hora de decisão
01/03/2008
Nação de consumidores
01/03/2008
Uma função muito privada
19/06/2008
Ferroviário e rodoviário têm de atuar juntos
20/05/2007
Prioridade para o transporte coletivo: a vez dos BRTs
13/05/2008
Biocombustíveis: obstáculos e avanços
26/08/2007
Os desafios do transporte coletivo
16/04/2008
Demagogia e subsídios contra os biocombustíveis
17/04/2008
O que é, afinal, pedágio urbano?
18/04/2008
Etanol - reagindo ao tiroteio global
20/03/2008
O trânsito em São Paulo e as alternativas para melhorá-lo
23/04/2008
Em meio a críticas, biocombustíveis preparam sua segunda geração
01/11/2007
Mais de 30 milhões de passageiros em ônibus e trens durante a Copa do Mundo de futebol.
25/02/2008
transporte-transito
22/01/2008
O Brasil tem condições técnicas de reduzir a porcentagem do enxofre no diesel?
29/01/2008
Biodiesel e agricultura familiar
18/02/2008
A hora e a vez dos bondes e metrôs
29/01/2008
Sem manutenção preventiva, o Metrô pára!
20/02/2008
O diesel brasileiro é prejudicial à saúde
07/02/2008
O biodiesel na hora da verdade
21/02/2008
Avaliação do transporte: Estamos incluindo todos os benefícios?
05/12/2007
Capital chinesa acelera implantação de corredores
27/02/2008
O transporte urbano nas eleições
23/01/2008
O custo do Fura-fila
27/01/2006
Legal é usar o vale-transporte
14/09/2007
O espaço público de circulação e a ocupação desigual
08/01/2007
Transporte público coletivo X tarifas
03/10/2007
Pressão popular contra o aquecimento global
14/01/2008
Programa do biodiesel é exemplo para o mundo
24/09/2007
Financiamento da infra-estrutura de transporte público
01/04/2007
Transporte público em Xangai: passado, presente e futuro
27/09/2007
Equipes de alta performance!
28/09/2007
Economista cruza dados da Cetesb, do SUS e do Detran
01/05/2007
Sistema de faixa de ônibus intermitente: Projeto de demonstração em Lisboa
26/07/2007
No transporte urbano, a hora é esta
01/05/2007
Troca de frota, quem se beneficia: o passageiro ou o empresário?
05/09/2007
Redução de custos e maximização de recursos na indústria de ônibus urbanos.
21/08/2007
Transporte público gratuito: marketing ou estratégia política?
14/08/2007
A infra-estrutura rodoviária e a competitividade
15/08/2007
País merece um ônibus melhor
01/10/2000
O transporte pode ajudar na luta contra a pobreza
24/11/2006
Como não matar nossa velha mãe
06/06/2007
Os excluídos do transporte urbano
06/06/2007
De problema a solução
08/06/2007
Busque a certificação. Faz bem para os lucros
01/04/2007
A todo vapor
14/05/2007
Proconve 6, o desafio
21/05/2007
Sistemas de transporte inteligentes
23/11/2006
Mobilidade Urbana: Saídas para o tráfego
16/04/2007
Biodiesel não é óleo vegetal
13/03/2007
Frota de carros engrossa
12/03/2007
O corredor suspenso
04/03/2005
Pavimento de concreto: feito para durar
25/04/2007
Trem bala e sua estrutura ao redor do mundo
17/05/2007
A mobilidade de uma nova era
09/02/2007
Biodiesel: Ovo de Colombo ou História da Carochinha?
26/06/2005
Biodiesel: mais uma oportunidade perdida?
06/05/2005
Os desafios da mobilidade sustentável
28/01/2006
A ferrovia pede passagem
31/01/2007
Cobrança de uso de estradas e como ela pode afetar a provisão de transporte público no Reino Unido
09/02/2007
Europa propõe limite de emissões de CO2 em veículos novos
18/01/2007
Pequim acelera o desenvolvimento do sistema de transporte público antes dos jogos olímpicos de 2008.
19/01/2007
BRT ou não?
17/01/2007
Operações de ônibus em Cingapura – Alcançando qualidade e serviço barato com viabilidade financeira
16/01/2007
Reestruturando o transporte público em Kaunas - Lituânia
15/01/2007
BRT estilo francês ou Bus à Haut Niveau de Service (BHNS)
01/10/2006
O exemplo da Colômbia
22/01/2007
Transantiago: redesenhando o transporte público em Santiago, Chile
11/02/2008
O que são Créditos de Carbono?
13/11/2006
Metrobús: o fim do martírio dos usuários na capital mexicana
02/01/2006
Pequenas obras, grandes resultados
25/10/2006
Combustível feito à base de grãos pode aliviar a demanda por diesel e diminuir o impacto no efeito estufa
11/08/2005
Concepção do manual de projeto e dimensionamento de terminais de ônibus urbanos
17/07/2006
Riscos do subsídio federal para o transporte urbano
24/10/2006
Sem soluções operacionais, ou de acessibilidade para acompanhar o crescimento das cidades, o transporte público continua em crise
17/10/2006
O transporte da próxima década começa hoje
29/09/2006
Mobilidade urbana, meio ambiente e... eleições
22/09/2006
Economias de escala do usuário no transporte público
21/10/2005
Sem acessibilidade, perdem-se oportunidades
01/08/2006
Informação ao cliente utilizando tecnologia VoIP
14/08/2003
GESTEC – gestão de sistemas de transporte público
08/08/2005
Os vários impactos do bilhete único em São Paulo e na sua região metropolitana
10/04/2004
Transporte coletivo integrado e bem planejado é prioridade
14/04/2006
O transporte público e a mobilidade na transformação da cidade
01/01/2006
A quem interessa o pagamento em dinheiro?
16/03/2006
A vitória da união e do bom senso
11/08/2005
Estratégia energético-ambiental: ônibus com célula a combustível
15/01/2006
A Importância dos Caminhos Metropolitanos
25/06/2006
Os sistemas de transportes
04/04/2005
Sistemas Integrados de Transporte: considerações e reflexões
08/03/2005
Você sabe qual a diferença entre PPPs, Privatizações e Concessões?
02/05/2006
A vocação brasileira para os biocombustíveis
16/12/2005
Biocombustíveis como bens ambientais: proposta para a paz mundial
08/11/2004
Novo Modelo de Gestão e Remuneração das Subconcessionárias do Serviço Público de Transporte Coletivo por Ônibus do Município de Belo Horizonte
06/06/2006
Nova gestão e readequação de quadro de funcionários da Gatusa transportes, com apoio de software de programação.
01/05/2004
Gestão Metropolitana do Transporte Público
06/06/2006
Resultado da implantação de novo modelo de gestão e remuneração dos serviços de transporte coletivo de Belo Horizonte
06/06/2006
Apresentação dos ganhos obtidos com o reconhecimento das estratégias desenvolvidas pelos funcionários
29/06/2006
Serviços gratuitos: Uma ilusão e ameaça ao transporte público
03/07/2006
Índices de inflação: a hora é de avançar, mas com cautela.
28/09/2005
Qual o melhor combustível para o transporte coletivo urbano no Brasil?
01/07/2005
Municípios Investem na Reestruturação dos Sistemas de Transporte
01/07/2005
Novas Tendências de Política Tarifária no Brasil
11/04/2005
O Futuro Elétrico
Clique aqui para enviar seu artigo.
27/10/2003 | GRUPO A - ASPECTOS ESTRATÉGICOS
Paraíso para pedestres
Por: BHTrans

Quem volta a Bogotá depois de muito tempo fora costuma dizer que a cidade está irreconhecível. Há alguns anos, os visitantes encontravam barulho, a poluição e o trânsito infernal típico das grandes cidades. Hoje, porém, encontram uma cidade cheia de novos parques, praças e dezenas de zonas exclusivas para pedestres. O que aconteceu?

"Durante décadas, Bogotá era uma cidade com uma atitude negativa", explica Enrique Peñalosa, prefeito de 1998 a 2001. " Agora as pessoas sentem orgulho. Sentem-se donas de sua cidade." Segundo Peñalosa, que contou suas experiências e idéias sobre urbanização em seminário recente no BID, essa mudança tem muito a ver com a guerra que seu governo travou contra os carros particulares.

"Os 20% mais ricos da população da cidade andam de carro", diz Peñalosa. "As políticas de transporte destinam-se a aliviar o congestionamento de trânsito para esse pequeno segmento da população, criando mais pistas de rolamento para automóveis, que rapidamente ficam também congestionadas." Nesse sentido, Peñalosa acredita que tais políticas são "essencialmente classistas". "Nossas cidades no terceiro mundo são um reflexo dos piores aspectos de nossas sociedades - versões inferiores de modelos fracassados segundo os quais 20% da cidade vêem com desdém os restantes miseráveis", critica. O importante, para Peñalosa, é saber por que as cidades vêm sendo projetadas em torno de ruas e autopistas há tanto tempo.

Reforma em ritmo acelerado

Durante seu mandato de três anos, Peñalosa decidiu recuperar os espaços roubados pelos carros aos cidadãos ao longo de várias décadas. Nesse meio tempo, melhorou a qualidade de vida para os pobres e marginalizados que representam a maioria da população urbana. "Criamos 180 novos parques na cidade, alargamos e construímos calçadas, criamos uma ciclovia de 120 quilômetros e mais 20 quilômetros de pistas para pedestres, além construir um parque linear com 45 quilômetros de extensão que atravessa os bairros mais pobres da cidade e margeia vários conjuntos de casas populares", conta Peñalosa.

Tudo isso foi feito para tornar a cidade mais democrática e igualitária, "mais para pessoas e crianças que para carros", diz Peñalosa. "uma sociedade pode ser julgada pela maneira de tratar suas crianças. Nas nossas cidades, as crianças são obrigadas a se adaptar a um ambiente hostil e perigoso - não há espaço para elas. Sabemos mais sobre as necessidades das baleis do que como fazer nossas crianças felizes."

Na opinião de Peñalosa, os parques e centros de lazer não são um luxo. São tão importantes para a qualidade de vida das pessoas quanto saúde e educação. "A rua é um meio de se ir de um lugar ai outro. O parque tem finalidade própria. As pessoas precisam caminhar para serem felizes, para estarem com os outros", argumenta.

As implicações sociais são significativas. "No trabalho, todos ficam nivelados", explica. "As pessoas só sentem a diferença fora do ambiente de trabalho, nas atividades de lazer. Os ricos têm seus carros, seus clubes, seus teatros,. A única alternativa para os pobres são os espaços públicos." A seu entender, os espaços públicos são o melhor meio de se superar as desigualdades sociais. " O profissional liberal fica no mesmo nível de um auxiliar de escritório quando se encontra em um espaço público", afirma.

Várias escolas novas e bibliotecas públicas projetadas por alguns dos melhores arquitetos do país foram construídas em pontos mais tranqüilos da cidade no governo de Peñalosa. Esses espaços "valorizam a dignidade humana e elevam a auto-estima", diz o ex-prefeito. Seu pricipal argumento é que as constituições dos países latino-americanos sustentam as teorias certas - de que todos os seres humanos são iguais, de que os interesses da maioria se sobrepõe aos interesses dos indivíduos - mas, na prática, faz-se muito pouco daquilo que a maioria deseja e merece.

Mais ônibus, menos carros

Algumas das políticas de Peñalosa quase lhe custaram o cargo de prefeito. De imediato, adotou medidas para rebocar os carros estacionados sobre as calçadas e eliminar privilégios de vagas reservadas para empresas e particulares, que impediam o movimento de pedestres nas calçadas. A seguir, invadiu as ruas alargando as calçadas. "Calçada não é pista de corrida de obstáculo e, sim, lugar para lazer também", insiste. Essas medidas enfrentaram forte oposição por parte das empresas e outros grupos de interesse, mas o imenso apoio popular que angariou permitiu que se concretizassem.

Em lugar de alargar as ruas para os automóveis, que despreza, ou investir na construção de metrô, que considera caro e desnecessário, Penãlosa propôs um sistema de ônibus articulados que percorrem seu trajeto em pistas exclusivas. A prefeitura financiou a construção da infra-estrutura do sistema e contratou, por licitação empresas privadas para administrar as frotas e pontos de ônibus e realizar sua manutenção. O sistema, chamado Transmilênio, começou a operar em dezembro de 2000 e foi um sucesso imediato. "Custou U$ 300 milhões e hoje transporta 700.000 passageiros por dia", diz Peñalosa. "Em comparação, o metrô de Medellím precisou de um investimento de U$ 3,5 bilhões e transporta 250.000 passageiros por dia". O atual prefeito de Bogotá, Antanas Mockus, prosseguiu a ampliação do sistema com meta de longo prazo que prevê oferecer a toda população da cidade transporte público até, no máximo 500 metros de distância de suas residências.

O bem estar comum

Peñalosa afirma que, historicamente, os pedestres nunca foram respeitados em Bogotá. Diversas avenidas largas, por exemplo, não tinham calçadas. Em vez de buscar não tinham calçadas. Em vez de buscar meios de reduzir o trânsito, Peñalosa e sua equipe fizeram um esforço para ampliar os espaços para pedestres. Milhões de pessoas agora podem caminhar pelos 120 quilômetros de ruas fechadas ao tráfego de veículos porque estas são, hoje, os lugares mais seguros da cidade. "No Natal", continua Peñalosa, "partes de algumas ruas fecharam para carros das 19 às 24 horas. Três milhões de pessoas saíram às compras e não houve nenhum incidente.

Praticamente todas as grandes cidades dos países em desenvolvimento têm enormes áreas ocupadas por favelas. Peñalosa atribui o problema a leis e políticas que permitem a especulação imobiliária e a criação de verdadeiros monopólios imobiliários. Essas leis em geral favorecem os grandes investidores e impedem qualquer tipo de urbanização planejada para atender às necessidades da maioria da população. Por isso, Peñalosa acha que a "reforma fundiária urbana" é ainda mais importante que a reforma agrária. "Se tivesse sido feita a tempo, [tal reforma] teria mudado a vida das crianças e o nível de violência [em Bogotá]." Durante o governo de Peñalosa, Bogotá criou a Corporação Metrovivienda, que adquiriu terras, melhorou a infra-estrutura urbana e construiu e vendeu casas a preços populares.

Hoje em dia, a população de Bogotá realmente sente orgulho de sua cidade e das mudanças ainda em curso. Os moradores de bairros modestos, apesar de ainda não terem ruas pavimentadas, estão satisfeitos por terem um parque onde podem se reunir nos domingos. Quando o atual prefeito propôs um aumento voluntário de 10% do imposto para benfeitorias urbanas, 40.000 pessoas se dispuseram a pagar e a maioria delas solicitou que a arrecadação fosse empregada para ampliar a rede de ciclovias que corta a cidade.

"As estradas são um monumento à desigualdade", afirma Peñalosa. "Os investimentos em zonas para pedestre é progressista, enquanto que os investimentos em ruas para automóveis representam um retrocesso." Os latino-americanos, afirma ele, ainda têm tempo de transformar suas cidades em paraísos para pedestres.

Desenvolvido por:
NTU - Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos
© Copyright 2019 - Todos os direitos reservados. | suporte: ntumaster@ntu.org.br | Tel: 2103-9293