Home
Sistema redes
Quem somos
Notícias e Atualizações
Documentos Técnicos
Você participa
 
Veja também »
14/09/2009
Pedágios urbanos não solucionarão um problema ambiental
11/08/2009
A lei e os mototaxistas
16/07/2009
Os desafios de transportes do Rio
31/07/2009
Matriz energética: biomassa no lugar de combustíveis fósseis
19/05/2009
Transporte público e a candidatura do Rio
12/05/2009
A hora e a vez de uma política de preços para combustíveis
24/03/2009
Respostas do campo às crises econômica e ambiental
27/05/2009
Sustentabilidade e vantagem competitiva
25/08/2008
A vez de Manchester
25/08/2008
Ele voltou!
24/01/2008
Quatro vezes sem carro
29/04/2008
O melhor jeito de chegar lá
18/05/2006
A utilização do Biodiesel no Transporte Urbano
19/11/2008
Transporte rápido por ônibus
17/12/2008
A crise do transporte público
10/11/2008
Certificação ISO 14001 eleva o desempenho verde da Sound Transit
22/09/2008
Uma alternativa que deu certo
09/10/2008
Transporte público: Vital para o futuro da Austrália
09/10/2008
Hidrogênio como combustível: BVG testa operação com ônibus livre de CO2.
15/10/2007
O biodiesel e os desafios da inovação
13/08/2008
O Transporte Urbano e o Meio Ambiente
10/09/2008
A mobilidade urbana pede socorro
10/09/2008
Incentivando o uso de biocombustíveis no transporte público
12/09/2008
Poluidores em dívida
05/09/2008
Uso do transporte coletivo supera individual na Grande SP
04/08/2008
Brasil deve explorar mais a tecnologia diesel
29/05/2008
São Paulo está perdendo a mobilidade e se tornando cada vez menos eficiente
19/06/2008
Verdades e mentiras em torno dos biocombustíveis
01/03/2008
Hora de decisão
01/03/2008
Nação de consumidores
01/03/2008
Uma função muito privada
19/06/2008
Ferroviário e rodoviário têm de atuar juntos
20/05/2007
Prioridade para o transporte coletivo: a vez dos BRTs
13/05/2008
Biocombustíveis: obstáculos e avanços
26/08/2007
Os desafios do transporte coletivo
16/04/2008
Demagogia e subsídios contra os biocombustíveis
17/04/2008
O que é, afinal, pedágio urbano?
18/04/2008
Etanol - reagindo ao tiroteio global
20/03/2008
O trânsito em São Paulo e as alternativas para melhorá-lo
23/04/2008
Em meio a críticas, biocombustíveis preparam sua segunda geração
01/11/2007
Mais de 30 milhões de passageiros em ônibus e trens durante a Copa do Mundo de futebol.
25/02/2008
transporte-transito
22/01/2008
O Brasil tem condições técnicas de reduzir a porcentagem do enxofre no diesel?
29/01/2008
Biodiesel e agricultura familiar
18/02/2008
A hora e a vez dos bondes e metrôs
29/01/2008
Sem manutenção preventiva, o Metrô pára!
20/02/2008
O diesel brasileiro é prejudicial à saúde
07/02/2008
O biodiesel na hora da verdade
21/02/2008
Avaliação do transporte: Estamos incluindo todos os benefícios?
05/12/2007
Capital chinesa acelera implantação de corredores
27/02/2008
O transporte urbano nas eleições
23/01/2008
O custo do Fura-fila
27/01/2006
Legal é usar o vale-transporte
14/09/2007
O espaço público de circulação e a ocupação desigual
08/01/2007
Transporte público coletivo X tarifas
03/10/2007
Pressão popular contra o aquecimento global
14/01/2008
Programa do biodiesel é exemplo para o mundo
24/09/2007
Financiamento da infra-estrutura de transporte público
01/04/2007
Transporte público em Xangai: passado, presente e futuro
27/09/2007
Equipes de alta performance!
01/05/2007
Sistema de faixa de ônibus intermitente: Projeto de demonstração em Lisboa
26/07/2007
No transporte urbano, a hora é esta
01/05/2007
Troca de frota, quem se beneficia: o passageiro ou o empresário?
05/09/2007
Redução de custos e maximização de recursos na indústria de ônibus urbanos.
21/08/2007
Transporte público gratuito: marketing ou estratégia política?
14/08/2007
A infra-estrutura rodoviária e a competitividade
15/08/2007
País merece um ônibus melhor
01/10/2000
O transporte pode ajudar na luta contra a pobreza
24/11/2006
Como não matar nossa velha mãe
06/06/2007
Os excluídos do transporte urbano
06/06/2007
De problema a solução
08/06/2007
Busque a certificação. Faz bem para os lucros
01/04/2007
A todo vapor
14/05/2007
Proconve 6, o desafio
21/05/2007
Sistemas de transporte inteligentes
23/11/2006
Mobilidade Urbana: Saídas para o tráfego
16/04/2007
Biodiesel não é óleo vegetal
13/03/2007
Frota de carros engrossa
27/10/2003
Paraíso para pedestres
12/03/2007
O corredor suspenso
04/03/2005
Pavimento de concreto: feito para durar
25/04/2007
Trem bala e sua estrutura ao redor do mundo
17/05/2007
A mobilidade de uma nova era
09/02/2007
Biodiesel: Ovo de Colombo ou História da Carochinha?
26/06/2005
Biodiesel: mais uma oportunidade perdida?
06/05/2005
Os desafios da mobilidade sustentável
28/01/2006
A ferrovia pede passagem
31/01/2007
Cobrança de uso de estradas e como ela pode afetar a provisão de transporte público no Reino Unido
09/02/2007
Europa propõe limite de emissões de CO2 em veículos novos
18/01/2007
Pequim acelera o desenvolvimento do sistema de transporte público antes dos jogos olímpicos de 2008.
19/01/2007
BRT ou não?
17/01/2007
Operações de ônibus em Cingapura – Alcançando qualidade e serviço barato com viabilidade financeira
16/01/2007
Reestruturando o transporte público em Kaunas - Lituânia
15/01/2007
BRT estilo francês ou Bus à Haut Niveau de Service (BHNS)
01/10/2006
O exemplo da Colômbia
22/01/2007
Transantiago: redesenhando o transporte público em Santiago, Chile
11/02/2008
O que são Créditos de Carbono?
13/11/2006
Metrobús: o fim do martírio dos usuários na capital mexicana
02/01/2006
Pequenas obras, grandes resultados
25/10/2006
Combustível feito à base de grãos pode aliviar a demanda por diesel e diminuir o impacto no efeito estufa
11/08/2005
Concepção do manual de projeto e dimensionamento de terminais de ônibus urbanos
17/07/2006
Riscos do subsídio federal para o transporte urbano
24/10/2006
Sem soluções operacionais, ou de acessibilidade para acompanhar o crescimento das cidades, o transporte público continua em crise
17/10/2006
O transporte da próxima década começa hoje
29/09/2006
Mobilidade urbana, meio ambiente e... eleições
22/09/2006
Economias de escala do usuário no transporte público
21/10/2005
Sem acessibilidade, perdem-se oportunidades
01/08/2006
Informação ao cliente utilizando tecnologia VoIP
14/08/2003
GESTEC – gestão de sistemas de transporte público
08/08/2005
Os vários impactos do bilhete único em São Paulo e na sua região metropolitana
10/04/2004
Transporte coletivo integrado e bem planejado é prioridade
14/04/2006
O transporte público e a mobilidade na transformação da cidade
01/01/2006
A quem interessa o pagamento em dinheiro?
16/03/2006
A vitória da união e do bom senso
11/08/2005
Estratégia energético-ambiental: ônibus com célula a combustível
15/01/2006
A Importância dos Caminhos Metropolitanos
25/06/2006
Os sistemas de transportes
04/04/2005
Sistemas Integrados de Transporte: considerações e reflexões
08/03/2005
Você sabe qual a diferença entre PPPs, Privatizações e Concessões?
02/05/2006
A vocação brasileira para os biocombustíveis
16/12/2005
Biocombustíveis como bens ambientais: proposta para a paz mundial
08/11/2004
Novo Modelo de Gestão e Remuneração das Subconcessionárias do Serviço Público de Transporte Coletivo por Ônibus do Município de Belo Horizonte
06/06/2006
Nova gestão e readequação de quadro de funcionários da Gatusa transportes, com apoio de software de programação.
01/05/2004
Gestão Metropolitana do Transporte Público
06/06/2006
Resultado da implantação de novo modelo de gestão e remuneração dos serviços de transporte coletivo de Belo Horizonte
06/06/2006
Apresentação dos ganhos obtidos com o reconhecimento das estratégias desenvolvidas pelos funcionários
29/06/2006
Serviços gratuitos: Uma ilusão e ameaça ao transporte público
03/07/2006
Índices de inflação: a hora é de avançar, mas com cautela.
28/09/2005
Qual o melhor combustível para o transporte coletivo urbano no Brasil?
01/07/2005
Municípios Investem na Reestruturação dos Sistemas de Transporte
01/07/2005
Novas Tendências de Política Tarifária no Brasil
11/04/2005
O Futuro Elétrico
Clique aqui para enviar seu artigo.
28/09/2007 | GRUPO EC - ESTUDOS DE CASOS
Economista cruza dados da Cetesb, do SUS e do Detran
Por: Gheisa Roberta Telles Esteves

A viabilização de combustíveis que emitam menos poluentes é o caminho mais rápido para atenuar um sério problema de saúde pública: as doenças respiratórias relacionadas com os resíduos liberados pelos veículos. Esta é uma das constatações de um estudo que associa a emissão dos automóveis da Grande São Paulo com as internações de crianças e idosos dela decorrentes. Segundo a economista Gheisa Roberta Telles Esteves, mesmo que a introdução de veículos limpos com zero de emissão (como os movidos a hidrogênio ou a eletricidade) começasse hoje, a substituição total da frota da Região Metropolitana de São Paulo demoraria mais de trinta anos.

Introdução de carros com emissão zero vai ser lenta

“Já houve uma redução importante da poluição veicular na região, por conta de medidas tomadas trinta anos atrás, principalmente a melhoria na tecnologia de motores. O essencial agora é priorizar a tecnologia de combustíveis, pois a introdução de transportes alternativos limpos será um processo demorado”, afirma. A pesquisa valeu a Gheisa Esteves o doutorado pela Faculdade de Engenharia Mecânica (FEM), sob orientação da professora Sonia Regina da Cal Seixas Barbosa, e integra um conjunto de trabalhos do Laboratório de Hidrogênio da Unicamp focados em transportes e meio ambiente. Para a tese, a autora levantou dados sobre a concentração de poluentes na Grande São Paulo, colhidos pela Cetesb no período de 1998 a 2006. Foram analisados os níveis de monóxido de carbono (CO), dióxido de enxofre (SO2), dióxido de nitrogênio (NO2), material particulado (MP10) e ozônio (O3). Os dados de internações por doenças respiratórias foram obtidos no Sistema de Informações Hospitalares do SUS (Datasus), englobando o mesmo período. “Apurei o número de internações de crianças menores de 1 ano até 4 anos e de adultos acima de 60 anos, que são as faixas etárias mais suscetíveis à poluição do ar”. A economista levantou também a frota de automóveis, dividindo-a por modelos movidos a gasolina, álcool e bicombustível (flex). Veículos mais pesados não entraram na pesquisa, sendo que o Detran não possui registro dos automóveis movidos a gás. “Minha tese é baseada no mestrado de Paula Duarte Araújo, que havia estudado a evolução da frota de São Paulo até 2025, considerando a entrada de veículos novos e o tipo de combustível. Utilizei quatro cenários traçados por ela, com método de análise semelhante”, esclarece Gheisa Esteves.

Cenário atual

A frota da Grande São Paulo é 7,3 milhões de veículos (2006), sendo 65% a gasolina, 12,3% a álcool e 6,1% do tipo flex. Em 2005, a frota circulante na região foi responsável por 78% da emissão de poluentes.“Três poluentes apresentaram relação significativa com problemas respiratórios: o dióxido de nitrogênio, o dióxido de enxofre e o ozônio. O ozônio – único poluente que não é obtido diretamente das emissões pelo escapamento, mas de processo fotoquímico envolvendo o óxido de nitrogênio e a radiação solar – vem aumentando nos últimos anos”, diz a pesquisadora. Gheisa apurou que as doenças respiratórias causam hoje 13 mil internações por ano (16% do total de internações), sendo 11 mil de crianças, cujo sistema imunológico está menos desenvolvido. “Dessas 13 mil internações, 2.100 decorrem da poluição da frota de automóveis”. Uma das associações permitidas pelo cruzamento de dados é que, na cidade de São Paulo, os maiores riscos são para crianças com menos de 1 ano, que têm 15% de possibilidade de internação devido à concentração de dióxido de enxofre. Extrapolando para a Região Metropolitana, nas crianças de 1 a 4 anos, há um risco aproximado de 18% de que sejam internadas com problemas respiratórios provocados pelo ozônio. A autora da tese calculou em aproximadamente US$ 34 milhões os gastos em saúde pública de 1998 a 2006, só na cidade de São Paulo, atingindo US$ 59 milhões para a Região Metropolitana. “São valores bastante subestimados porque não foi possível averiguar custos como de inalação e de outros tratamentos posteriores à internação”.

Cenários futuros 

Para os próximos anos, Gheisa Esteves considerou a tendência de que a partir de 2009 todos os veículos novos incorporados à frota da Grande São Paulo sejam do tipo bicombustível. “Em 2006, 80% dos automóveis saídos da fábrica já eram flex”. No primeiro cenário alternativo traçado pela autora, haveria a introdução de um percentual de veículos limpos (no caso, de células a combustível, que emite apenas vapor de água), com a substituição progressiva dos veículos de combustão interna. Os índices de introdução são os mesmos propostos para a região metropolitana de Los Angeles (Califórnia), onde os problemas com a poluição do ar são semelhantes. “De 2009 a 2017, os veículos limpos representariam 11% da frota e, a partir de 2018, 16%”. No entanto, no segundo cenário alternativo, esses percentuais caem bruscamente quando adaptados à realidade econômica da Grande São Paulo, comparando o PIB com o de Los Angeles. “De 2009 a 2017, os veículos limpos seriam apenas 2% da frota, e 3% a partir de 2018”. No terceiro cenário elaborado por Gheisa, considerado o ideal do ponto de vista ambiental, todos os veículos novos incorporados à frota seriam de célula a combustível. “Ainda assim, em 2025, eles ficariam entre 70% e 73% da frota, que não é substituída inteiramente em nenhum dos cenários”.

Impactos na saúde

Não havendo mudanças no perfil da frota e seguindo as projeções de concentração de poluentes, a previsão, para o período de 2006 até 2025, é de 248 mil internações de crianças e idosos por doenças respiratórias causadas pela poluição do ar na Região Metropolitana de São Paulo.“No cenário alternativo ideal, com a introdução apenas de veículos limpos até 2025, essas internações cairiam de 2.100 para 500 ao ano, evitando um custo de 513 mil dólares anuais”, compara a autora do estudo. Ela insiste, contudo, que este cenário é tão ideal quanto improvável, pois os efeitos da mudança no perfil da frota tardam muito a acontecer. “No cenário alternativo próximo da realidade da Grande São Paulo, seriam evitadas de 100 a 200 internações por ano”. Gheisa Esteves reitera que a redução na emissão dos poluentes – como de 35% no caso do material particulado – deu-se em função da melhoria dos motores, que poluirão ainda menos até 2025. “A preocupação maior deve ser com a qualidade do combustível, já que os veículos que rodam atualmente têm vida útil de 30 anos”. A pretensão da economista é estudar os problemas causados pela poluição do ar por muito tempo, relacionados também a doenças cardiovasculares, neoplasias e malformação fetal. “Uma idéia para o pós-doutorado é a análise espacial a partir dos pontos de medição da Cetesb espalhados por São Paulo, mostrando como a poluição afeta a população por classes sociais”.

Os efeitos dos poluentes na saúde

Em sua tese de doutorado, Gheisa Esteves conta que o primeiro episódio notificado de mortes e de doenças respiratórias devido a aumentos súbitos da concentração de poluentes atmosféricos ocorreu em 1930, entre as cidades belgas de Huy e Liége, região com muitas indústrias. Um das condições desfavoráveis foi a ausência de ventos, o que dificultou a dispersão dos poluentes. Londres viveu um episódio trágico, em 1952, com aproximadamente 4.000 mortes por problemas respiratórios num período de três dias. A grande maioria dos casos foi decorrente da inversão térmica, que dificultou, igualmente, a dispersão da poluição emitida pelas indústrias da cidade. O Laboratório de Poluição Atmosférica, da USP, foi o primeiro criado para estudar os efeitos dos poluentes na saúde humana, na fauna e na flora. Segundo o laboratório, em dias de altos níveis de poluição do ar na cidade de São Paulo, há um aumento de 12% no risco de morte por doenças respiratórias e cardiovasculares. As crianças, os idosos e os portadores de doenças respiratórias crônicas formam a população mais suscetível aos efeitos da poluição. Sabe-se que os níveis atuais estão bem abaixo dos monitorados décadas atrás, mas continuam causando efeitos deletérios na população. No quadro ao lado, mostramos características e efeitos dos principais poluentes.

Desenvolvido por:
NTU - Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos
© Copyright 2019 - Todos os direitos reservados. | suporte: ntumaster@ntu.org.br | Tel: 2103-9293